Skip to main content

Mariya „Masha“ Kashyna, vibrafone

Masha toca um vibrafone (ou metalofone). É um instrumento de percussão moderno, desenvolvido nos Estados Unidos no século XX. Na entrevista, Masha conta mais sobre si, sua música e o que pensa sobre o UM SÓ MUNDO. À direita, você encontra algumas breves amostras sonoras de como Mariya Kashyna toca seu instrumento. Você também pode baixá-las e utilizá-las como samples para compor uma canção para o Concurso Musical. Se você utilizou um sample do website para a sua canção, deve indicar isso ao enviar sua contribuição.

Importante: Você só pode utilizar os samples para as canções com as quais irá participar do Concurso Musical “Dein Song für EINE WELT!” (A sua canção POR UM SÓ MUNDO). Se a sua canção cumprir as condições de participação, iremos publicá-la em nosso website, no Soundcloud ou também no YouTube. Caso você também faça outros usos pessoais da sua canção que contém samples, é importante sempre citar o nome do artista que gravou o sample. Por exemplo, se utilizar o sample “70bpm Vibraphon A” de Mariya Kashyna, escreva “Utilizando o sample “70bpm Vibraphon A” de Mariya Kashyna”.

Você pode nos contar um pouco do seu percurso musical?
Aos 13 anos de idade, vim da Ucrânia para a Alemanha. Desde cedo, senti a necessidade de me expressar artisticamente, porém foi só bem tarde que decidi fazer disso a minha profissão. Depois de terminar a escola, vivi por um tempo na Tailândia, onde aprendi principalmente a meditação através da música. Mais tarde, cursei Estudos Culturais, Música e Mídia, e na universidade comecei a integrar as novas mídias nos meus projetos. O ano de 2015 eu passei em Istambul, onde estudei Música para Cinema, Composição e Produção na Universidade de Bilgi. Esse foi o momento crucial em que decidi atuar artisticamente e fazer disso a minha profissão. O inverno de 2017-18 eu passei em Blantyre, cooperando com músicos da cidade. Desde 2018, eu exploro a questão das fusões na música e faço o curso de formação transcultural “musik.welt” no Center for World Music em Hildesheim. Hoje viajo muito, principalmente como música e como documentarista.

O que você pensa/como você se engaja com os temas “desenvolvimento sustentável” e “UM SÓ MUNDO”?
UM SÓ MUNDO? Desenvolvimento sustentável? Esses são conceitos muito abstratos para mim. Como artista, é mais ou menos minha tarefa pensar de forma abstrata e traduzir pequenos modelos em grandes, ou reconhecer certos padrões. Tudo isso é, para mim, a base do meu trabalho e de onde tiro minhas ideias. Eu reflito sobre isso para dar continuidade à história da minha família, de uma região específica ou da humanidade em geral. Eu olho para o passado... para os erros imperdoáveis da humanidade, coisas como o colonialismo, como as desigualdades entre homens e mulheres, as guerras religiosas, etc. A questão é: o que posso fazer de concreto para promover a união e a empatia entre as pessoas por meio da música e da arte? E de um modo que esses sentimentos não desapareçam já no momento seguinte, mas sim permaneçam de forma duradoura e se propaguem para outros aspectos da vida. Acho que faz parte disso o dever de ser corajosa como artista, e não virar a cara quando vejo coisas que me incomodam. Isso significa que preciso descobrir o que me incomoda e, acima de tudo, DAR UMA FORMA EXATAMENTE A ISSO, para que outras pessoas entendam o que quero dizer – seja em nível intelectual ou emocional.

Você acredita que a música pode mudar o mundo? Se sim, como?
A música provavelmente é uma das disciplinas mais misteriosas do mundo. Ela é transitória, e cada vez é diferente, pois, ou os músicos tocam a música de um jeito diferente em cada show, ou porque você talvez esteja num mood diferente. Tanto faz qual seja o seu aspecto – a música é provavelmente o elo de união entre todos os povos da Terra, e, no entanto, ela sempre assume novas formas, diferentes instrumentos, escalas musicais e contextos. Então ela pode mudar o mundo? Com certeza... pois uma vez que você começa a se interessar, p. ex., por música curda, acaba sendo obrigado a olhar um mapa para descobrir onde fica o Curdistão, ou então você fica surpreso ao saber que o Curdistão atravessa fronteiras de outros países. Este é só um exemplo, mas para mim isso já aconteceu várias vezes, de eu ficar sabendo primeiro através da música sobre algo de que antes não fazia ideia. Para que isso serve? No fim das contas, você tem amigos em todo lugar, pessoas que gostam de você porque você as trata com respeito e interesse, como elas provavelmente também te tratam.

Videoporträt: Mariya „Masha“ Kashyna


Se você reproduzir o vídeo, o YouTube enviará alguns cookies!
Aceite e jogueAceitar para todos os vídeos e reproduzir
×
Vibrafone 70bpm A
Vibrafone 70bpm B
Vibrafone 70bpm C
Vibrafone 70bpm D
Vibrafone 90bpm A
Vibrafone 90bpm B
Vibrafone 90bpm C
Vibrafone 90bpm D
Vibrafone 90bpm E
Vibrafone 90bpm F
Vibrafone 90bpm G
Vibrafone 124bpm A
Vibrafone 124bpm B
Vibrafone 124bpm C
Vibrafone 124bpm E
Vibrafone 124bpm F
Vibrafone 124bpm G
Carregar todosCarregar menos